quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010


O Shiuuuu lançou um desafio novo... um desafio de “Opinião”, o desta semana é sobre a Infidelidade e a mim só me ocorre um pensamento:


Que a Infidelidade é como um assalto... em que a ocasião faz o ladrão!


Porque todos temos o mesmo poder para dizer que não, mas alguns de nós têm mais alma de ladrão do que outros! Toda a gente sabe que a infidelidade é amoral, é errada, censurável e altamente danosa, mas muitas vezes sem ocasião nunca as infidelidades ocorrerão, outras vezes, com a ocasião certa e as pessoas erradas, ela acontece mesmo!
Hoje, posso dizer do alto da minha , talvez, “estupidez”, que por muito que me pudesse doer jamais perdoaria uma infidelidade, fosse do meu marido, fosse de uma amiga... mas isso é hoje, porque sei, que em tempos já perdoei, ambas e o resultado nunca foi o melhor!



Quem está comigo, que esteja por bem... quem não está, que se F***!
E um Bom Dia para vocês também!

7 comentários:

  1. Bom dia!
    Xii... temazinho melindroso...

    Sempre que penso em infedilidade, penso sempre em tentação.

    Tentação é, precisamente, o momento que antecede uma tomada de decisão.
    É aquele balançar entre uma opção e a outra.

    Quando se fala em infidelidade, a tendência é para nos colocarmos automáticamente no papel de traidos e a ponderar entre o perdão e a acusação.

    Mas...
    E se fossemos nós os traidores???
    Se fosse eu a cair na tentação, a escolher a opção menos eticamente correcta???

    E agora???

    Que esperar dos outros? Perdão ou culpa???

    ResponderEliminar
  2. Boa...

    Grande mulher!

    Bom dia para ti também... da minha parte, se fosse a escrever sobre esse tema... bem, daria pano para mangas... a minha opinião muda consoante variáveis que podem ou não ocorrer, é triste mas a pura da verdade!

    Presentemente, tenho-a (a opinião) mais vincada, e talvez (só talvez...) as coisas fossem diferentes se a tenho tido mais cedo!

    Mas águas passadas não movem moinhos, e como também não me interessa mover nenhum, bem...

    Bom dia para ti também!

    :)

    ResponderEliminar
  3. ai, ai, gosto mesmo de ti
    -com respeitinho, claro

    "either love me or leave me alone"

    ResponderEliminar
  4. Anie: Ora... isto é um "pau de dois bicos", como dizia a minha avó! Se formos nós a trair, fomos nós que o escolhemos fazer! Arriscamo-nos a sofrer as consequências de um acto de tentação, não pensado, nem ponderado, mas muito letal! Eu acredito sinceramente que a infidelidade funciona como ferrugem numa relação, tu até podes limpá-la e tal, mas mais cedo ou mais tarde, acaba sempre por corroer! Eu não perdoaria, assim, teria que aceitar, que sendo eu a infiel, a outra pessoa não me perdoasse a mim!
    O caminho do mal, da tentação, do "atalho" é sempre o mais fácil! Não é o que dizem?!

    ResponderEliminar
  5. ahahahah Eu penso que quem se sente bem, quem é feliz, quem está seguro do que quer não é infiel. Antes abandonar o barco que ser infiel. Falando em infidelidade, porque as mulheres culpam sempre as outras quando o marido as traí? Sabes? rsss
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Ó Mary... essa é fácil, as mulheres culpam sempre as outras quando o marido as trai porque assim a outra torna-se alvo de toda a dor e revolta, é o bode expiatório! Pela outra elas nunca sentiram amor, enquanto que é muito pior pensar que o único e verdadeiro culpado foi o homem a quem elas deram tudo: o amor, a vida, elas próprias! - é uma atitude muito irracional, mas que no fundo tem o seu "quê" de ser! Tudo na vida tem os seus "quês"! ;)

    ResponderEliminar