terça-feira, 30 de março de 2010

A minha mãe é como a pescada, antes de ser já o era! Nasceu a 30 de Março, mas foi registada como tendo nascido a 27! Nós, lá em casa, sempre festejámos a 27. Mas também lhe damos os parabéns a 30. Ela, não festeja em nenhum dos dias. Porque a minha mãe é mesmo assim. A minha mãe não é de festas! A minha mãe não é de rambóias e galhofadas, nem de bailaricos ou grandes convívios... não... nisso saio todinha ao meu pai! A minha mãe não dá gargalhadas sonoras, nem fala alto, nem berra! Aliás, acho que nunca ouvi a minha mãe berrar!
A minha mãe é como as flores do campo, de beleza discreta, rude até a um primeiro olhar, mas sempre as preferidas de toda a gente! Ela é como o detalhe de que toda a paisagem precisa e sem a qual ela nunca estaria completa!
A minha mãe não tem amigas, com quem vá tomar chá, fazer compras ou dar duas de letra!
Não!
Mas a minha mãe é a pessoa mais sincera e amigável que conheço! A minha mãe cozinha bem “pa caraças”, sabe sempre que remédios devemos tomar, adivinha-nos os males da alma e tem sempre duas palavras de reflexão para dar! A minha mãe não é nada como eu. Mas eu gostava de ser mais como a minha mãe...
Acho que só vi a minha mãe chorar para aí umas três vezes na minha vida... mas sei que já deve ter chorado muitas mais! A primeira vez que “vi” com olhos de ver a minha mãe a chorar foi quando ela viu a neta! Pegou-a no colo, olhou para mim, tentou falar... mas só chorou... quase compulsivamente! Talvez porque soubesse, que a par de uma grande felicidade, um filho é também uma grande responsabilidade! A minha mãe é mulher de carreira, discreta, empenhada, muito profissional... mas nem por isso desleixou os cuidados que tinha comigo.
A minha mãe não sabe nadar, não sabe andar de bicicleta e desde que eu tinha 5 anos começou a usar saias pelo joelho até eu ter para aí uns 18... Hoje em dia, a minha mãe já só usa calças! Da minha mãe herdei a paixão por anéis, pulseiras, colares, lenços, lencinhos, cachecóis e echarpes. Não lhe herdei a calma, nem o temperamento pausado... herdei-lhe um pouco da frieza e neutralidade, mas não herdei nem os olhos verdes, nem o cabelo escuro... agora cada vez mais branco! Herdei-lhe a paixão pelo campo, pelos animais, pela família!
A minha mãe é uma Mãe assim com “M” maiúsculo...
...e como ela está lixada da vida, porque não encara bem o passar dos anos, eu hoje, não lhe dou os parabéns... mas digo-lhe antes que a adoro, hoje menos do que amanhã!

7 comentários:

  1. gostei de a conhecer:)

    nesse caso, nesse caso deixa-me dar-lhe os parabéns... pela filha que tem;)

    (e neta, claro, não se resiste a uma neta daquelas)

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que ela ia adorar ler estas palavras... as nossas mães são sempre as maiores não são? bjs

    ResponderEliminar
  3. Estas palavras vão de certeza tornar-lhe o dia muito feiz:-) Bj e parabéns a ela!

    ResponderEliminar
  4. Um beijinho para a tua mãe por ter trazido ao mundo uma mulher como tu ;)

    Kiss kiss

    ResponderEliminar
  5. Sílvia fiquei de boca aberta a ler o que escreveste. Sabes o que isso significa? Este é mais um daqueles teus textos que me deixa sem palavras. Lembraste quantos já escreveste que me deixaram neste estado? Haveria muito que dizer mas, sinceramente, não consigo dizer nada depois do que aqui li. Parabéns Silvia.
    Parabens Mãe da Sílvia.
    Beijinhos para as três, a neta terá um bocadinho das duas o que fará dela alguém muito especial.

    ResponderEliminar
  6. Só podia ser uma Grande Mulher, a sra tua Mãe!

    Parabéns atrasados!

    ResponderEliminar