quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

"Le Joie"...


Nada melhor do que encerrar a semana com uma bela de uma constipação no pêlo, daquelas que nos quebram a espinha, nos cortam a respiração e nos transformam numa espectacular máquina de fluidos viscosos que nos pingam do nariz como uma torneira com folga!

Mas igualmente bom é ter que continuar a manter o mesmo nível de desempenho familiar e laboral, mesmo com esta maldita em cima de nós! Sim, porque a filha precisa na mesma de atenção, o marido idem idem, aspas aspas, o patrão continua a esperar de nós a pontualidade, afinco e dedicação de sempre, mas será que esta gente não se lembra que eu estou só com metade de oxigenação no cérebro!? IRRA!

Para além disto tudo mudei de pílula e sou mãe, o que me torna um banho fervilhante de hormonas e o bicho mais bipolar à face da terra!

Ontem, na busca pela agenda perfeita para o maridão, requisitos: uma página por dia e capa flexível, lá me perdi nos livros de literatura infantil. Acabei por comprar um da Shoppard, com um CD de música, que fez um sucesso com a minha filha! Amou tudo, o livro, a música, e por momentos a maternidade pareceu-me a coisa mais doce ao cimo da terra, enquanto ela abanava a cabecita sentada no banco de trás do Popó da Mamã ao som de Mozart e Schubbert e instrumentais de flauta que nos puseram a saltitar às duas, de tal forma que por momentos aquele meu carro pareceu ter os amortecedores mais moles de sempre. Chegadas a casa, abrimos o livro, sequiosas, e ela maravilhou-me com o seu extenso vocabulário: Mu-Mu, Mé-Mé, Au-Au, Bu-Bu (urso), quá-quá, boqueca (boneca), Grrrr (leão) e uma respiração repetida e fungosa (porco)! A cada dia que passa está mais entendida e comunicativa... já se senta no puff sozinha, de bolachas numa mão e chupeta e cobertor na outra à espera do NóNó (noddy), ou da Kitty, que já diz também muito bem!

Mas depois temos manhãs como a de hoje, em que eu faço o esforço de me levantar cedo para chegar a horas, lhe preparo o leite e rezo para que depois de mamar ela continue a dormir, para ter tempo de um banho e me vestir sem ela agarrada às minhas pernas a pedir colo ou o “bai-bai”, nome carinhoso que dá ao seu cobertor muito amado, ou a “pépé”, nome da chupeta... Enfim... prestes a ligar a água do banho, sinto-a chorar! Conclusão: já não há banho para ninguém! Vou buscá-la e trato de a arranjar primeiro, para não ter tempo de se constipar... tiro o pijama, mudo a fralda, ponho creme, visto meias, visto body... não tenho camisolas quentes para ela... pouso-a no chão enquanto vasculho na sala o cesto de roupa para passar a ferro. Ela aparece com uma camisola da Kitty na mão, que tirando o facto de já não lhe servir seria perfeita... boa, agora tenho que encontrar outra da Kitty, que lhe sirva, que seja quente, que não esteja muito amarrotada... Lembro-me que está só de meias no chão frio da sala, pego nela ao colo, corro com ela e as duas camisolas para o quarto “Vês, é da Kitty, gostas?” – “Não, Não!”... ultimamente esta dupla negativa dela tem sido resposta para tudo.”Ok, gostas, gostas que a mãe sabe!”. Luto com ela para lhe enfiar a camisola entre berros e lágrimas e ranho a escorrer do nariz das duas. Visto-lhe as calças e calço-lhe as sapatilhas, mesmo a tempo de ir a correr à casa-de-banho buscar um pedaço de papel higiénico para nos assoarmos. Estamos sem lenços de papel em casa e o rolo de cozinha estava mais longe! Enfim. Assoei-a, assoei-me. Deitei os papéis no caixote do lixo, mas depois ocorreu-me que ela os pudesse ir lá buscar. Toca de tirá-los do lixo e atirar para a sanita! MERDA. Agora tenho que lavar as mãos e ela já me está a puxar as calças por trás... “Cóló”, “Cóló”! MERDA! Lavo as mãos full speed, pego nela e vamos para o meu quarto. Coloco-a em cima da cama, em frente à televisão e reparo que ainda não a penteei. MERDA. De novo, pego nela, casa-de-banho, lavar a cara, pentear aquele cabelo em tudo igual ao meu, trunfoso, de juba, rebelde, entre o encaracolado e o fardo de palha agreste que rola com o vento nos cenários do faroeste! Esta repa dela já não tem jeito, vem-lhe para cima dos olhos... travessão, travessão... ah, boa, encontrei um! Já está! Antes de chegarmos ao meu quarto de novo, já ela o arrancou do cabelo e se despenteou toda. Ligo-lhe a televisão! Bendita RTP2, está a dar aquela ave, a Cantilena, e aqueles adultos que falam mesmo ao jeito de lhe prender a atenção o tempo suficiente para eu ir a correr até ao quarto dela, encontrar uma fita que combine com a roupa, passe na casa-de-banho e traga mais um gancho e um pente! AHa, apanhei-a entretida, em transe de “macacada” e lá a penteei. Que linda! De fitinha! OK, agora eu. Casa-de-Banho, outra vez, pente... no quarto. MERDA! Penteio-me com as mãos e o sérum. Lavo a cara, tiro o pijama, a caminho do quarto tiro a roupa interior, junto tudo a um canto para levar mais tarde para a lavandaria, visto roupa interior, escolho uma camisa, umas meias, umas calças, um casaco, que se me prende na bota enquanto as tento calçar, por pouco não caio. Olho para ela, já tirou a fita. MERDA. “Mamã, Cócó!”. OH! Maravilha das maravilhas, era só mesmo o que faltava... corro para o quarto dela, pego no creme, nas toalhitas, numa fralda e em dois elásticos para o cabelo! Mudo-lhe a fralda, enquanto ela se prende no Babar, que está a dar na TV. Prendo-lhe novamente o cabelo depois de muitos... “Não, Não!”, “Tótó, Não, Não”! MERDA. Tem que ser filha, vá lá! Ok. Já está. Ponho uma nesga de base, faço um risco de eyeliner à pressa, perfume, sombras à Picasso, olha um colar mesmo aqui à mão, enfia, e uns brincos, e uma pulseira, só falta o rímel. FEITO. “Filha, casaco e bata!” – “Não, Não!”. Tá, ok. “Mamãe, papa!”- “Queres uma bolacha, é?!”. Ela esconde-se atrás das cortinas, eu pego na carteira, noutro casaco, na bata dela, no casaco dela, num gorro, nas luvas, pouso tudo na cozinha. Procuro as bolachas de mel do Noddy, que ela tanto gosta, levo-lhe umas tantas na mão, enquanto pergunto em tom de brincadeira apressada: “Onde está a minha filha?!” – “Tété” – “Ah... estás aqui!”. Ela escapa-se por detrás das cortinas, foge para a sala, senta-se no puff, estende as mãos para pedir as bolachas e diz: “Nónó!”. MERDA! “Não filha... agora tens que ir para a escolinha...”. Bom, entre esperneares e choros gritantes, enfio-lhe a bata, meto os casacos e o “bai-bai" na minha carteira, telemóvel e chaves, pego nela ao colo, com chucha e bolachas na mão e apresso-me para a porta. Chegadas ao elevador, o burro de carga e a princesa, esta, olha para o espelho e apercebe-se dos totós que lhe fiz... “Tótó, Não, Não” e prepara-se para largar bolachas e chucha para os arrancar! MERDA! “ Não! Filha... Olha... olha... estamos a chegar ao carro, vês! Vamos ouvir música, tá?! Isso não são totós... Não... Olha, Olha... o carro!”. Chegamos. Pouso tralha. Ponho-a na cadeira, rezo para que se tenha esquecido dos malditos totós. Aperto-lhe o cinto. Dou-lhe o "bai-bai" e ela abre a boca... “Ah, AH!” – Ok, percebi, quer cuspir as bolachas. Já sei o que se segue: “Pé-Pé!”. Já a tenho em riste. Enfio-lhe a chucha na boca, dou-lhe o cobertor, para se aconchegar e vou para o meu lugar. Tiro um dos muitos papéis que tenho algures na porta do carro, deixo lá as bolachas, ligo o CD, hoje temos Baby Bach, e espreito-a enquanto ela matreira se tenta livrar dos totós de novo. Olho para o relógio... MERDA! MERDA, MERDA! De novo atrasada...

Arranco... e na minha cabeça um pensamento só: “Raios me partam, rapariga, se não faço de ti uma miúda feliz, penteada e musicalmente inteligente! Rai's m' parta, vou dar cabo de mim enquanto o faço! MERDA".

...

12 comentários:

  1. hahaha
    ai que te poso eu dizer para além de te cantar
    "não, não és a única!!"
    e eu preciso tanto de saber que não estou sózinha:
    que não é só a minha que só quer colo e que o banho fica por tomar porque ela berra da sala e que a Cantilena é, de facto, um fenómeno de sucesso e que dou cabo das costas a fazer malabarismos de toda a espécie com ela ao colo. e que insisto para que ela se desenvolva criativamente com música porreira e lápis de cera que ela trinca e muda a cor dos dentes.
    e no fim do dia volta a loucura de novo, com o marido a juntar-se ao barulho e a contar isto e aquilo e ela aos berros "papa" quer sopa e papaia e bolacha e no final ir para o chão, mas ela está sempre a cair e se for para o chão eu tb vou porque ele ainda está entretido a falar do trabalho..."aha.. sim... pois...claro... a sério?" e ela "atá???" "papaaaaaaa" "mamãaaaa" "au-au" (etc e tal)

    e para ajudar a encerrar a semana: apareceu-me o "saudoso" herpes labial!
    bom fim de semana Mulher!!!!!

    ResponderEliminar
  2. As melhoras para ti minha querida. Eu ando com uma tosse que não se aguenta. BTW - já te disse que vou a S. Miguel no verão? 15 diazinhos maravilhosos ;)

    ResponderEliminar
  3. Oh Sílvia!
    É um filme... ainda esta manhã já atrasada... e a meio caminho tive que voltar a casa para ir buscar o pinkie... Ai ás vezes penso que deviamos ter um "modo mãe robot", olha um belo exemplo de manhã, daqueles que carregamos no botão - DESLIGAMOS - cumprimos as 1001 tarefas e aos clicks dos cintos apertados no carro - Voltamos ao ON!
    Isssto é que era bom :)

    ResponderEliminar
  4. Olá, boa tarde.
    Sou professora, pesquisadora e contadora de histórias.Vivo de blog em blog angariando leitores e tentando divulgar o meu pelo simples fato de perpetuar a história de meu país - tenho medo que ela seja engolida por toda essa globalização.
    Se gostar de meu esdpaço e achar minha proposta coerente, por favor SIGA-ME nesta luta por um mundo melhor.
    FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... está convidando para conhecer uma lenda bastante contemporânea - a do pássaro-cabeça-de-vento.
    É só clicar no link http://www.silnunesprof.blogspot.com que você chega até lá rapidamente.
    Gostaria que tivesse um pouquinho mais de paciência comigo, estou com alguns probleminhas para resolver: preciso de um novo exame de vista e de um monitor novo, o meu está meio embaçado, já tentei regular, mas o problema está com ele mesmo, tenho de comprar outro. E agora não me encontro em condições disso - só eu sei o sacrifício que faço para postar as histórias.
    Se já passei por aqui, mil perdões. Como disse, a falta dos meus óculos e esse monitor com problemas não me deixam enxergar direito.
    Que os bons ventos soprem a seu favor neste ano de 2010.
    A PAZ .
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar
  5. Art: Acabaste de fazer de mim, uma mulher muito mais feliz! Identifique-me tipo super cola 3 com as tuas palavras! Many, many thanks! :)

    Bê: Obrigada querida! Estou um pouco melhor hoje... Thank God for "the drugs"! :) S.Miguel, no Verão?! Não me digas que é em Junho!? Fazemos já um rendez-vous com a Art! :D

    Teresa: Tu com o Pinkie, eu com o BaiBai... Estas duas Rabaneta e Repolhita ainda nos matam! LOL

    Silvana: Saudações! Irei retribuir a Visita! :)

    ResponderEliminar
  6. Sempre admirei a minha mãe, acho-a Super Mulher! E estas tuas palavras provam, que não só a minha, mas todas as Mães o são!***

    ResponderEliminar
  7. É que este post corrido não podia descrever melhor as centenas de manhãs dessas que já tive! Fantástico MERDA!!! Ainda agora, a minha mais nova já tem 7 anos e ainda me faz passar as primeiras horas do dia assim nessa angustia de cora ao pescoço a olhar o relógio...nem vale a pena dizer que chego, chegamos, sempre atrasadas....e mais, ela pra variar tb anda constipada, e hoje à hora do almoço vinha com o nariz cheio, mas eu quero dizer CHEIO ATIBADO de ranho verde, já em crosta!!!!Anda uma mãe a desgastar-se a vestir a princesinha no último grito,num visual todo "emo" como ela pr´pria diz, copiado da mana mais velha, a pentear aquelas cabelos de Rapunzel, a perfumar aquela pele de pessego e a puta da gaiata não se assoa!!!!ohhh pá ó me apeteceu comê-la!!!! valha-nos a Santa Paciência que é uma Santinha linda!
    Beijinhos Grandes e as melhoras

    ResponderEliminar
  8. MeL: Oh I believe! I believe! Como te compreendo! LOL LOL - Se há coisa que me dá ganas é ver "crianças ranhosas", por mais motivos do que um só... LOL ;)

    ResponderEliminar
  9. É mesmo o que acontece num dia normal de mãe, depois crescem e vão dar outras "dores de cabeça" adoráveis, porque eu sou daquelas mães que acham todas as idades maravilhosas, porque é maravilhoso ter filhos. Parabéns pela descrição. Nunca mais pense eu vou atrasar-me, pense eu hoje vou chegar a horas. A sua filha deve ser amorosa.

    ResponderEliminar
  10. Sílvia as tuas descrições do dia a dia de mãe são fantásticas. Parece que estou a ver um filme, tu a correr de um lado para o outro, aflita, as horas a passarem, ainda de pijama, agora a menina fez cocó, mas ainda nem acabaste de te arranjar...uf que já me tinha esquecido desse stress matinal. Não é fácil ser Mãe, nada fácil e, Mãe trabalhadora então!!! Já nem vamos falar numa Mãe, trabalhadora e doente. Como aguentamos tanto? Parece que vamos explodir a qualquer momento, que no mínimo enlouquecemos mas, não, aguentamos isto e aquilo e mais aquilo. Nós somos mesmo as MAIORES. Que faria um Homem no nosso lugar? Desistia. Desistia e caia para o lado. Este stress matinal passará. Espera mais um pouquito, o tempo passa mais rápido do que pensas. Logo logo está ela a perguntar-te:
    Mamã posso ir ao cinema com o....?
    Tu - Pede ao Papá.
    Ela - O Papá disse-me para te pedir a ti.
    Tu - Filha, vai mas não venhas tarde, sabes que a Mamã não consegue dormir enquanto não chegares.
    Como o tempo passa.
    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  11. Olga: Ser mãe é realmente mágico e a minha pequerrucha é do mais amoroso que há! :)- By the way... hoje voltei a... como é que era mesmo?! Ah, já sei... amanhã vou chegar a horas! ;)

    Brown Eyes: Não sei qual será a fase mais difícil... ai os namorados! Até lhes bato se não a tratam bem! Mas ela é como a mãe... vai por tudo em sentido! ;) - Ai, Ai... trabalho de mãe é perpétuo, quer-me parecer! ;)

    ResponderEliminar
  12. Eu vi uma vez um documentário em que diziam que as crianças só ganhavam a consciência "tempo" a partir dos 7 anos. -.-'
    Tal como não têm a noção do tempo, também não têm a noção do que é a ironia e o sarcasmo.
    Isto para dizer que, todas as manhãs, em que uma pessoa está ali no "Despacha-te, despacha-te... ai que já estamos atrasados! Despacha-te, vá lá... ai caraças, DESPACHA-TE!!", e eles olham para nós, placidamente enquanto beberricam calmamente o leite... não, não são retardados. Apenas não têm uma noção de tempo. (alívio)

    Enfim... merdinha. =\

    ResponderEliminar